RSS

CAPITULO 1 – PRIMEIRA LEI DE MENDEL

21 fev

1ª Lei de Mendel – pág. 12 a 31

GENÉTICA É a área da Biologia que estuda:
  • As leis da hereditariedade, ou seja, como o potencial para certas características é transmitido pelos genes de pais para filhos através das gerações.
 O conhecimento da genética nos permite por exemplo:
- Selecionar cruzamentos de animais ou plantas de forma a obter variedades mais produtivas ou mais resistentes a pragas.
- Indicar a probabilidade de um casal ter um filho com certos problemas hereditários, etc.
Exemplo: A presença de sardas é uma das muitas características hereditárias estudadas pela genética (gene localizado no cromossomo 4)

1. HEREDITARIEDADE: 1OS ESTUDOS
  • Por que os filhos são parecidos com os pais?
  • Por que gatos geram gatinhos e não cachorros, por exemplo? 
A semelhança entre pais e filhos foi explicada de diversas maneiras:
  • Teoria da pré-formação (1750) um pequeno indivíduo estaria presente no esperma.
  • Teoria da pangênese (1868) – Darwin defendia que os gametas eram formados de partículas provenientes de todas as partes do corpo. Para alguns, não era partículas, e sim fluídos como o sangue que continha as características transmitidas. Ex. “sangue azul”, “puro sangue”, etc.
  • Teoria da herança misturada – as características paternas e maternas se misturavam nos filhos.

–  As leis básicas da genética começaram a ser desvendadas em meados o séc. XIX, pelo monge Gregor Mendel (1822 – 1884). Pai da Genética. –  Ele publicou em 1866 um trabalho em relação à hereditariedade, que foi ignorado. Somente a partir de 1900 vários pesquisadores confirmaram seus resultados.

 - Motivos do sucesso de Mendel
1º) O material escolhido: a ervilha “Pisum sativum”:
–     Planta fácil de cultivar.
–     Produz grande no de sementes e consequentemente grande nº de descendentes em pouco tempo.
–     Flor hermafrodita e se reproduz por autofecundação (corola fechada).
–     Caracteres bem definidos.
2º) O método empregado nas experimentações, associado à aplicação da estatística.
–     Adotou procedimentos metodológicos científicos e criteriosos.
–     Analisou um caráter por vez.
–     Trabalhou com pais puros.
–     Quantificou os dados.
–     Cruzamentos feitos com cuidado, quando as ervilhas estavam em flor.
 
- A técnica de Mendel
1º) Para impedir a autofecundação Mendel abria a flor e removia os estames.
2º) A seguir ele recolhia os grãos de pólen com um pincel e o passava no estigma de outra flor.
 
OS PRIMEIROS CRUZAMENTOS
  • Mendel supôs que, se uma planta tinha semente amarela, ela devia possuir algum “fator” responsável por essa cor.
  • O mesmo ocorrendo com a planta de semente verde, que teria um “fator” para essa cor.
  • Em um dos seus experimentos Mendel cruzou plantas de semente amarela com plantas de sementes verdes, ambas puras.
  • Mendel fez o cruzamento usando a parte masculina da planta de semente amarela e a feminina de uma de semente verde.
  • Essa 1ª geração do cruzamento é chamada atualmente, de geração parental ou P.
  • Os descendentes, chamada de primeira geração ou F1 todas as ervilhas apresentavam sementes amarelas. Mendel chamou esses indivíduos de híbridos (pais diferentes).

O que aconteceu com o fator verde?

  • A resposta surgiu quando Mendel realizou a autofecundação de um desses indivíduos híbridos de semente amarela.
  • As plantas resultantes, da segunda geração, ou F2, surgiram cerca 75% (3/4) de sementes amarelas e 25% (1/4) de sementes verdes, ou seja, uma proporção de 3 amarelas para 1 verde.
  • O aparecimento de sementes verdes permitiu a Mendel concluir  que o fator para a cor verde não tinha sido destruído, apenas não se manifestava na presença do fator para cor amarela.
  • Com isso passou a considerar  a ervilha  amarela  como “dominante” e a verde como “recessiva”.

Mendel chamou de:

  • Característica Dominante: aquela que se manifesta na F1.
  • Característica Recessiva: aquela que permanece “escondida” na F1, só reaparece na F2 e em menor frequência.
  • Para todas as características estudadas Mendel sempre obtinha a mesma proporção 3:1 entre as variedades dominante e recessiva.

CONCLUSÕES DE MENDEL:

  • Cada organismo possui um par de fatores responsável pelo aparecimento de determinada característica.
  • Esses fatores são recebidos dos indivíduos paterno e materno; cada um contribui com apenas um fator de cada par.
  • Qdo. um organismo tem dois fatores diferentes, pode ocorrer que apenas uma das características se manifeste (a dominante) e a outra não apareça (a recessiva).
  • Os fatores de um par contrastante não se misturam. Durante a formação dos gametas, os fatores aparecem em dose simples, ou seja, cada gameta possui  apenas um fator.
 Enunciado da 1ª Lei de Mendel:
“Cada caráter é determinado por um par de fatores que se separam na formação dos gametas, nos quais ocorrem em dose simples”.
Monoibridismo: é considerado apenas um caráter por vez.

Interpretação atual da 1ª Lei Com base nos conhecimentos atuais sobre a meiose, cromossomos e genes, podemos interpretar as conclusões de Mendel e explicar como suas leis são válidas, embora não se apliquema todos os tipos de herança, elas explicam a transmissão de muitas características em animais e vegetais.


Revisando alguns conceitos…

  • Células Diplóides (2n): as que possuem os cromossomos aos pares (cés. somáticas = cés. que formam o corpo).
  • Células Haplóides (n): as que possuem apenas um cromossomo de cada par (gametas).
  • Os cromossomos do mesmo par possuem o mesmo tamanho e a mesma forma e são chamados de cromossomos homólogos.
  • Cromossomos homólogos: são os dois cromossomos que formam um par e possuem a mesma sequência de genes, relacionadas as mesmas características genéticas.
  • Um homólogo tem origem paterna e outro materna.
  • Lócus gênico: é o lugar em um cromossomo onde um gene está situado.
  • Genes alelos: são os genes que ocupam o mesmo lócus em cromossomos homólogos. Embora controlem a mesma característica, os alelos podem ter efeitos diferentes (Ex. cor da semente da ervilha).

Simbologia p/ representação dos genes
  • Por convenção usamos  a letra inicial do caráter recessivo para denominar os alelos. Ex.: semente Amarela e semente Verde (usamos a letra V).
    Letra maiúscula = alelo dominante (V)
    Letra minúscula = alelo recessivo (v)
Obs.: A letra maiúscula (gene dominante) deve ser colocada antes da minúscula (gene recessivo). Ex.: Vv – Aa – Bb
  • Homozigoto – indivíduo puro (alelos iguais): Ex.: Amarela (VV), Verde (vv), Lisa (RR), Rugosa (rr)
  • Heterozigoto – indivíduo híbrido (alelos diferentes). Ex.: Amarela (Vv) Lisa (Rr)
  • Nº de cromossomos: Em cada espécie de ser vivo o nº de cromossomos por célula somática é constante. Ex. Humano=46 – Cavalo=64  – Trigo=42
  • Genótipo: É o conjunto de genes que um indivíduo possui (ou cada par de alelos) que influencia, em interação com o ambiente, as características de um indivíduo.    Ex.: Aa – RR.
  • Fenótipo: É o conjunto das características morfológicas ou funcionais do indivíduo determinadas pelo genótipo + ambiente. Ex. cor da ervilha.
  • Alelo Dominante: É aquele que determina o mesmo fenótipo, tanto em homozigose como em heterozigose. Ex. VV e Vv (amarelo)
  • Alelo Recessivo: É aquele que só se expressa quando em homozigose.  Ex.: vv (verde).
Observações importantes:
  • Alelo Dominante: Nem sempre é o de “maior ocorrência” nas populações. Ex. Tipo sanguíneo O é o mais frequente e é recessivo (ii).
  • Alelo Dominante: não significa “melhor” do que o recessivo. Muitos genes dominantes causam doenças.
Para a cor da ervilha:
  • Se ela apresentar dois alelos V no par de homólogos, seu genótipo será VV e o fenótipo será ervilha amarela.
  • Se apresentar 2 alelos v, terá o genótipo vv e o fenótipo será ervilha verde.
  •  Se apresentar o alelo V num cromossomo e v no outro terá o genótipo Vv e o fenótipo será ervilha amarela.
Portanto:
  • O indivíduo com fenótipo dominante para determinada característica pode ser homozigoto ou heterozigoto;
  • Se tiver fenótipo recessivo, será obrigatoriamente homozigoto (o alelo recessivo só se manifesta em dose dupla).

 MEIOSE: separação dos cromossomos homólogos
  • A maioria dos organismos possui pares de cromossomos em suas células, mas os gametas são haplóides (n), isto é, possui um cromossomo de cada par de homólogos.
  • Essa redução ocorre na meiose.
 MEIOSE
  1. No início da meiose os cromossomos estão duplicados; formado por duas cromátides.
  2. A seguir os cromossomos homólogos se emparelham.
    - Na prófase I pode ocorrer a permutação (crossing over) a troca de partes entre cromossomos homólogos. Isso é um importante fator de variabilidade, pois gera cromossomos com sequências diferentes da sequência dos cromossomos originais.
  1. No final da meiose I os cromossomos duplicados separam-se e vão um para cada nova célula.
  2. Na 2ª divisão da meiose, as cromátides separam-se e cada uma vai para um dos pólos da célula. Formam-se assim 4 células, cada uma com um cromossomo simples.
MEIOSE – EXERCÍCIOS
1) Que tipo de gametas e em que proporções os indivíduos com os genótipos abaixo podem produzir?
a)  Bb:
b)  dd:
c)  TT:
d)  Aa:

- FECUNDAÇÃO: restauração dos pares de cromossomos homólogos

  • A união dos gametas masculino e feminino produz um ovo ou zigoto, restaurando o no diplóide de cromossomos.
  • Gametas animais: espermatozóide e óvulo
  • Gametas de plantas: anterozóides ou núcleo espermático e oosfera).

 INTERPRETANDO OS RESULTADOS DE MENDEL

  • As fecundações ocorrem ao acaso.
  • No caso das ervilhas tanto o gameta com o alelo para a cor amarelo quanto o gameta com o alelo para a cor verde têm a mesma chance de formar o zigoto.
  • Nesses casos usamos a probabilidade: Ex. ao jogarmos uma moeda p/ cima temos 50% de chance de sair cara e 50% de sair coroa.
  • Quanto maior o no de lançamentos, mais os resultados obtidos se aproximarão desses valores.
  • Quanto maior o no de filhos, mais próximos devemos ficar da proporção esperada de 3:1 (fenotípica) ou de 1:2:1 (genotípica).
  • Mendel teve essa preocupação e, por isso, analisava sempre um grande no de indivíduos.
1ª Lei de Mendel – pág. 12 a 20
ATIVIDADES

1) Mendel escolheu a ervilha para seus experimentos. Que características esta planta possui que foram importantes para o sucesso de Mendel?(3)

2) Enuncie a 1ª Lei de Mendel. (3)

3) DEFINA:
a) Células diplóides (2n):
b) Céulas haplóides (n):
c) Cromossomos homólogos:
d) Lócus gênico:
e) Genes alelos:
f)  Homozigoto:
g) Heterozigoto
h) Genótipo:
i)  Fenótipo:
j)  Alelo dominante:
k) Alelo recessivo:
l)  Meiose:
m) Fecundação:

Resolução de problemas de monoibridismo

  • Vamos resolver problemas que envolvem apenas casos de herança autossômica, isto é, influenciada por genes que estão nos cromossomos autossômicos e não nos sexuais.
  • Na herança autossômica a característica aparece igualmente em homens e mulheres.

Cruzamentos – A partir dos cruzamentos podemos prever a transmissão dos genes em uma família.  QUADRADO DE PUNNETT

  • Outra forma de se determinar as fecundações possíveis consiste em usar o quadrado de Punnett.
  • Nesse esquema, os gametas de um dos sexos ficam organizados em colunas e os do outro sexo em linhas.
  • Cada quadrado indica o resultado de uma fecundação possível.
 EXEMPLO 
  • Qual será o resultado do cruzamento de uma planta que produz sementes amarelas heterozigota (Vv) com outra que produz sementes verdes (vv)?
     

PROBLEMAS DE MONOIBRIDISMO Como fazer um cruzamento?

  1. Leia com cuidado o enunciado e faça uma legenda respondendo as perguntas:
  • Qual é a característica em questão?
  • Qual característica é condicionada pelo gene dominante e qual é pelo recessivo?
  1. Descubra qual é o genótipo dos pais.
  2. Descubra quais tipos de gametas os pais podem produzir e coloque-os no quadro de Punnett.
  3. Faça o cruzamento.
  4. Responda a questão (a legenda te ajuda nesse passo).

PROBLEMAS – 1ª Lei de Mendel

1) Qual o resultado esperado do cruzamento de porquinhos-da-índia de pelo preto, característica dominante, com porquinhos-da-índia de pelo marrom, características recessiva, ambos homozigotos.

2) Qual o resultado esperado do cruzamento de um casal de porquinhos-da-índia de pelo preto (característica dominante), ambos heterozigotos.

3) Em cobaias, pelos curtos dominam pelos longos. Qual o resultado do cruzamento entre um macho de pelo curto e heterozigoto e uma fêmea de pelo longo?

4) Qual o resultado do cruzamento entre duas cobaias heterozigotas para o tipo de pelo (curto domina longo).

5) Qual a probabilidade de um casal de heterozigotos para o albinismo (Aa) virem a ter:
a) Uma criança recessiva: ______     
b) Uma criança dominante: _____
c) Uma criança heterozigota? ___
d) Uma criança homozigota dominante?______

____________________________________________________________________________________________

CRUZAMENTO-TESTE e RETROCRUZAMENTO – pg.21

Semente amarela… homozigota ou heterozigota? Como descobrir se é VV ou Vv?

Para descobrir se um indivíduo portador de um caráter dominante é homozigoto ou heterozigoto, basta cruzá-lo com um indivíduo recessivo para a mesma característica, ou seja, basta realizar um cruzamento-teste.

  • Se surgir algum descendente com o caráter recessivo, o indivíduo analisado é heterozigoto;
  • Se obtivermos grande nº de descendentes e todos com característica dominante, provável-mente ele é homozigoto.

Retrocruzamento: é o cruzamento de indivíduos de F1 com indivíduos da geraçãoP ou com genótipo idêntico ao de um dos progenitores.

Exercício:
1) Nos porquinhos-da-índia, a pelagem negra é dominante sobre a branca. Um criador tem um lote de porquinhos negros, com o mesmo genótipo. O que deve fazer para descobrir se eles são homozigotos ou heterozigotos?

2. DOMINÂNCIA INCOMPLETA E CODOMINÂNCIA – pág.21 e 22

1) DOMINÂNCIA INCOMPLETA
Nesse caso NÃO há dominância e recessividade entre os alelos.
O heterozigoto apresenta fenótipo intermediário em termos quantitativo em relação ao dos homozigotos. Ex.: Mirabilis jalapa
  • Na planta maravilha (Mirabilis jalapa), o resultado do cruzamento de plantas com flores vermelhas e plantas com flores brancas é uma planta com flor rosa.
  • Isso ocorre porque o alelo p/ cor vermelha leva a planta a produzir apenas metade do pigmento vermelho que ela produziria se esse alelo estivesse em dose dupla.
  • Como o alelo p/ cor branca não produz pigmento, a planta será rosa.
 REPRESENTAÇÃO
  • Os alelos são representados por letras com índices em vez de letras maiúsculas e minúsculas.
  • Flor vermelha CVCV ou VV
  • Flor branca: CBCou BB
  • Flor rosa: CVCou VB 
2) CODOMINÂNCIA
Também NÃO há dominância entre os alelos, no entanto pode-se observar a expressão de ambos os genes nos indivíduos heterozigotos e não um intermediário. Ex. Sistema ABO e Pelagem do gado da raça Shortorn.
  • Isso ocorre porque cada alelo influencia a produção de proteínas diferentes. Ex.: No sistema ABO, o alelo IA leva à produção de antígeno A e o alelo IB leva à produção B.
  • O indivíduo heterozigoto IAIB possui ambos os antígenos nas hemácias.

EXERCÍCIOS:

1) Em cavalos o gene CC  determina pelo castanho e o gene CB determina pelo branco. O tipo “PALOMINO” aparece nos indivíduos são heterozigotos. Qual o resultado esperado do cruzamento entre animais palomino e branco?

2) Na planta boca-de-leão não há dominância na cor das flores, vermelha e branca, sendo o híbrido de cor rosa. Quais as proporções genotípica e fenotípica do cruzamento de flores rosas (CVCB) entre si.

3) Nas galinhas não há dominância na coloração da plumagem preta (CPCP) e branca (CBCB). Os híbridos são carijós (CPCB). Cruzando-se um galo carijó com uma galinha brancaqual a proporção fenotípica e genotípica dos descendentes?


GENES LETAIS – Pg. 22 Letais são genes que quando em HOMOZIGOSE determinam a morte do indivíduo no estado embrionário ou após o nascimento. Nos camundongos a pelagem amarela é determinada por um alelo dominante e a pelagem marrom-acinzentada, por um alelo recessivo. Mas o cruzamento de 2 camundongos amarelos heterozigotos resulta em uma descendência de 2 amarelos p/ 1 marrom, e não a proporção esperada de 3:1. Descobriu-se que os embriões amarelos homozigotos (AA) formam-se, mas não se desenvolvem, pois o alelo responsável pela pelo amarelo, em dose dupla é letal.

Alelos letais em humanos

Acondroplasia: tipo de nanismo causado por um alelo dominante.
– Homozigotos AA apresentam a anomalia e morrem antes de nascer.
– Os Aa apresentam a anomalia, mas sobrevivem.
– Os aa são normais.
Doença de Tay-Sachs: é causada por um alelo ressivo. Os indivíduos afetados apresentam degeneração progressiva do sistema nervoso e morrem por volta do 2º ano de vida.
– Afetados são ss 
– Normais SS e Ss.
Braquidactilia: possuem os dedos das mãos muito curtos. Os normais são nn e os afetados são NN e Nn. Os NN, morrem ao nascer.

EXERCÍCIOS:

1) Qual será o resultado do cruzamento de 2 coelhos heterozigotos, considerando que o gene P é dominante para a cor branca da pelagem, e letal quando homozigoto, e que o alelo p determina pelagem de cor preta e não letal?

2) Talassemia é um tipo de anemia humana condicionada por um gene letal dominante T. Qual o resultado esperado do cruzamento de um indivíduo heterozigoto com outro normal?

3) A braquidactilia é uma anomalia hereditária condicionada por um gene dominante (B) e letal em homozigose (BB). A partir de um casal de heterozigotos, qual a probabilidade de terem um descendente com essa anomalia?


3. MONOIBRISDISMO NO SER HUMANO – pág. 22

A transmissão de algumas características humanas obedece à 1ª lei de Mendel, ou seja, elas são condicionadas por um par de alelo (monoibridismo ou herança monogênica). Essas características são autossômicas, isto é, devem-se aos genes presentes nos autossomos.  

1) Herança Autossômica: gene responsável está presente em um dos 22 pares de cromossomos autossômicos, ou seja, não sexuais. Pode ser dominante ou recessiva. Ex.: Albinismo.

2) Herança Ligada ao Sexo: gene responsável pela característica está  presente no par de cromossomos sexuais (X ou Y). Ex. Hemofilia.

 Alguns exemplos de herança autossômica na espécie humana
1) Forma do lobo da orelha: Lobo solto característica dominante.
2) Covinha no queixo: dominante.
3) Capacidade de enrolar a língua em U: característica dominante.
4) Bico-de-viúva, sardas e mecha branca no cabelo: São condicionadas por alelos dominantes.
5) Cruzar dos polegares ou braços: as pessoas que deixam automati-camente que o polegar esquerdo sobreponha o direito possui o genótipo dominante.
 
Várias doenças genéticas também são casos de herança monogênica.
Elas surgem de genes que sofreram mutações e são transmitidas aos descendentes.
6) Polidactilia: é uma anomalia hereditária que se caracteriza pela presença de maior número de dedos que o normal, sendo condicionada por um gene dominante.
7) Albinismo: falta de melanina – característica recessiva.

—————————————————————————————————————————————————————– ATIVIDADE PRÁTICA O SABOR AMARGO NA VIDA OBS.: Entregar a cada aluno(a) uma folha com a prática, realizá-la e depois solicitar que entreguem o relatório.


Exercícios:

1) Um casal com pigmentação de pele normal, teve um filho albino. Qual a probabilidade desta criança ter um irmão albino(independente do sexo)?

2) Nos seres humanos a inserção dos cabelos em forma de V (bico de viúva) é um caráter hereditário dominante. Sabendo que pais com linha frontal reta só têm filhos com este tipo de inserção dos cabelos, determine:
a) o(s) genótipo(s) p/ bico de viúva.
b) o genótipo p/ linha frontal reta.
c) as proporções genotípicas e fenotípicas para os descendentes de dois heterozigotos.

3) Nos coelhos, a cor preta dos pêlos é dominante em relação à cor branca. Cruzaram-se coelhos pretos heterozigotos entre sie nasceram 360 filhotes. Destes, o nº. de heterozigotos provavelmente é:

4) DEFINA:
a) Cruzamento- teste:
b) Dominância completa:
c) Dominância incompleta:
d) Codominância:
e) Alelos letais:
f)  Monoibridismo:
g) Herança autossômica:

Genealogias, Heredogramas ou Árvores Genealógicas – pg.23

São esquemas que apresentam, com uma série de símbolos, os indivíduos de uma família. Os símbolos indicam: o grau de parentesco, a geração, a ordem de nascimento, a presença de um caráter afetado por determinada anomalia, etc.

Símbolos usados em genealogias

A montagem de um heredograma obedece a algumas regras:

-   Em cada casal, o homem deve ser colocado à esquerda, e a mulher à direita, sempre que possível.
-   Os filhos devem ser colocados em ordem de nascimento, da esquerda para a direita.
-   Uma das formas de representação é indicar todos os indivíduos de um heredograma por algarismos arábicos, começando-se pelo primeiro da esquerda, da primeira geração.
-  Outra possibilidade é se indicar cada geração que se sucede por algarismos romanos (I, II, III, etc.). Dentro de cada geração, os indivíduos são indicados por algarismos arábicos, da esquerda para a direita.

EXERCÍCIO:
De acordo com a genealogia ao lado assinale as corretas:
(a) O casal 1 e 2 possuem 2 filhas e 1 filho.
(b) O casal 1 e 2 possuem 5 netos.
(c) O indivíduo 7 é filho do casal 1 e 2.
(d) Os indivíduos 9 e 10 são gêmeos fraternos.
(e) O indivíduo 8 é do sexo masculino.
(f) O casal 6 e 7 têm 1 casal de filhos.
(g) O indivíduo 7 é cunhado do 5.
(h) O indivíduo 10 é tio do indivíduo 4.
(i) O indivíduo 10 é primo do 8.
(j) O indivíduo 10 é neto do 1.
(l) O indivíduo 3 é filho do casal 1 e 2.

Interpretação dos Heredogramas:
  • A análise de uma genealogia permite:
    –  determinar o padrão de herança de uma certa característica se é autossômica ou ligada ao sexo e se é dominante ou recessiva e
    –  descobrir o genótipo das pessoas envolvidas.
 Como reconhecer num heredograma o tipo de herança autossômica

a) Herança autossômica dominante:

  • O fenótipo aparece em todas as gerações.
  • A pessoa afetada geralmente tem um dos pais afetados.

b) Herança autossômica recessiva:

  • São necessários 2 genes  recessivos, um do pai e um da mãe para que a pessoa tenha a característica.
  • O fenótipo pode ficar por várias gerações sem aparecer.
  • O fenótipo que aparece no filho e não se manifesta nos pais é um fenótipo recessivo.

OBS: Os afetados, em geral, possuem pais normais.  

Como descobrir o genótipo dos envolvidos num heredograma.

1. A 1ª informação a se obter é se o caráter é condicionado por um gene dominante ou recessivo.

Para isso, devemos procurar casais que são fenotipicamente iguais e tiveram filhos diferentes deles, pois indicam que o caráter presente no filho é recessivo!

2. A seguir localizar os homozigotos recessivos (anotar o genótipo).

3. Depois disso, podemos começar a descobrir os outros genótipos. Para isso devemos observar que:

a) Em um par de genes alelos, um veio do pai e o outro veio da mãe. Se um indivíduo é homozigoto recessivo, ele deve ter recebido um gene recessivo de cada ancestral.

b)  Se um indivíduo é homozigoto recessivo, ele envia o gene recessivo para todos os seus filhos. Dessa forma, como em um “quebra-cabeças”, os outros genótipos vão sendo descobertos.

OBS.: Quando um dos membros manifesta um fenótipo dominante, e não conseguimos determinar se ele é homozigoto ou heterozigoto, indicamos o seu genótipo com um traço: Ex.: A_, B_ ou C_.


TRABALHO

1)      Construir numa folha de sulfite a genealogia de sua família iniciando pelos avós paternos e maternos.

2)      Numerar todos os indivíduos da genealogia.

3)       Anotar abaixo da genealogia os fenótipos da família para duas das características estudadas.

4)       Capa.


PROBLEMAS COM HEREDOGRAMAS – p.25

1) Analisando o heredograma responda:

a)O caráter efetado é dominante ou recessivo? Por quê?

b)Quem são os indivíduos afetados?
 
c)Qual é o genótipo de todos os envolvidos?

2) Um casal de pele pigmentada tem um filho albino. Qual o caráter dominante e qual o genótipo dos pais?

3) A presença de sardas é determinada por um alelo dominante (A) e sua ausência, por um alelo recessivo (a). No heredograma abaixo os indivíduos assinalados possuem sardas. Quais são os indivíduos heterozigotos?

4) Observe as genealogias abaixo e determine em cada caso se o caráter em questão deve-se a um alelo dominante ou um alelo recessivo. Justifique.

a)                                                  b)


5) Na genealogia citar os indivíduos homozigotos e os heterozigotos.

6) Um casal sem sardas teve três filhos, dois meninos com sardas e uma menina sem sardas. Desenhe a genealogia dessa família indicando seus genótipos relativos a essa característica.

7) Observe a genealogia abaixo e anote os genótipos de todos os indivíduos.

8) Os heredogramas A e B a seguir representam 2 famílias diferentes. Identifique o tipo de herança de cada uma delas (dominante e recessiva).


5. GENE E AMBIENTE: norma de reação

  • No desenv/o de um indivíduo o genótipo recebido dos pais não é o único fator em jogo. O meio ambiente (ambiente celular e do organismo, fatores físicos, fatores sociais e culturais) exerce influência na formação das características de um indivíduo (fenótipo).
  • Às vezes essa influência é pequena ou mesmo nula. Ex. grupo sanguíneo.
  • Entretanto, na maioria das vezes, o ambiente pode influir bastante no fenótipo.
  • NORMA DE REAÇÃO: é o conj. de fenótipos possíveis produzido pelo mesmo genótipo em condições ambientais diferentes. Ex. Pessoa de pele branca se expõe muito ao sol, a pele escurece devido o aumento na produção de melanina, mas não ultrapassa o limite máximo e mínino previsto em seu padrão genético.

Outros exemplos da influência do meio

  1. Uma pessoa vai para locais altos, aumenta o no de hemácias no sangue para compensar a menor oxigenação de cada hemácia. Mas esse aumento tb  é limitado pelo genótipo.
  2. O coelho himalaia e gato siamês são animais claros, com as extremidades pretas.
Numa temperatura acima de 34oC a enzima que dá cor preta fica inativa
- como o corpo do animal a temperatura é maior que 34oC o pelo fica BRANCO e
- nas extremidades onde a temperatura é inferior a 34oC a enzima torna-se ativa formando o pig-mento PRETO.
- Se esfriarmos artificialmente partes claras desses animais elas ficam escuras. (pg. 27)

CARACTERES HEREDITÁRIOS E CONGÊNITOS

  • Caracteres Hereditários: são as características transmitidas de pais para filhos como a cor dos olhos, o tipo de nariz e outras. São caracteres que resultam, principalmente, da influência dos genes.
  • Algumas doenças, como o câncer, surgem por causa de alterações genéticas (genes). Em alguns casos, essas alterações são herdadas, em outros aparecem ao longo da vida (mutação). Portanto, nem toda doença genética é hereditária.
  • Caracteres Congênitos: são os que estão presente por ocasião do nascimento – independentemente de sua causa ser genética ou ambiental. Exemplo:

→    Uma mulher adquire rubéola durante a gravidez, o vírus pode atingir o embrião e provocar surdez na cça. (congênita).

→    Mas a surdez  tb pode ser causada por alterações em um gene que é transmitido dos pais p/ os filhos. (surdez hereditária).


ATIVIDADES: Compreendendo o texto – 2 a 8 – pg. 29 Testes: Todos – pg. 29 e 30


About these ads
 
Deixe um comentário

Publicado por em 21/02/2012 em 3ª SÉRIE, Resumos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: